• Cáritas Diocesana de Caruaru e famílias celebram entrega de cisternas

    Cáritas Diocesana de Caruaru e famílias celebram entrega de cisternas

  • Campanha dos Cofrinhos Solidários é lançada na Rede Cáritas Nordeste 2

    Campanha dos Cofrinhos Solidários é lançada na Rede Cáritas Nordeste 2

  • Comissões municipais e Liderança das Comunidades rurais recebem capacitação

    Comissões municipais e Liderança das Comunidades rurais recebem capacitação

  • A paz na Síria é possível

    A paz na Síria é possível

  • Diocese de Caruaru dá início as obras de construção de cisternas no Agreste

    Diocese de Caruaru dá início as obras de construção de cisternas no Agreste

  • Cáritas Diocesana promove manhã de espiritualidade para colaboradores

    Cáritas Diocesana promove manhã de espiritualidade para colaboradores

  • Cáritas Diocesana de Caruaru recebe assessoria do Regional Nordeste II

    Cáritas Diocesana de Caruaru recebe assessoria do Regional Nordeste II

  • Cáritas Diocesana de Caruaru renova frota de motocicletas

    Cáritas Diocesana de Caruaru renova frota de motocicletas

Cáritas Diocesana

Endereço: Rua Silveira Martins, 367 - Petrópolis
Cidade: Caruaru - PE
Telefone: (81) 3046-5064 | 3046-5063

Presidente: Dom Bernardino Marchió
Coordenador Geral: Antônio Otávio Barbosa Varêda

Link de Notícias e Matérias: Clique aqui para acessar!

Notícias da Cáritas Diocesana

13-07-2017 Cáritas Diocesana A cerimônia foi realizada na Comunidade do Algodão, localizada na zona rural de Taquaritinga, e contou com a presença do Pe. Luis Eduardo, Administrador Paroquial da Paróquia São José, e o Pe. Alexandre, Gerente Operacional da Cáritas Diocesana de Caruaru, representantes da sociedade civil e a equipe da Cáritas Diocesana. Na ocasião, agricultores contemplados pelo Programa também falaram da mudança de vida após a cisterna.      

Cáritas Diocesana de Caruaru e famílias celebram entrega de cisternas

A Cáritas Diocesana de Caruaru celebrou, na última quarta-feira (12/07), a construção e a entrega de 345 cisternas para ...

12-07-2017 Cáritas Diocesana De acordo com a proposta, a cada ano, será trabalhada uma linha de ação em que a Cáritas atua. Em 2017, a arrecadação terá como alvo as ações em torno da infância, adolescência e juventudes. Para iniciar a campanha, foi confeccionado um milheiro de cofrinhos. Após a apresentação da dinâmica de arrecadação às Organizações Membros, cada entidade ficou responsável por uma caixa com 66 unidades. Durante este primeiro ano, cada Organização vai trabalhar para captar a meta, que é de R$ 660, ou seja, R$ 10 por cofrinho. Nos casos em que o valor estipulado for superado, o acréscimo ficará para a própria Organização Membro. A ideia é que, após as mobilizações de captação de recursos, as entidades façam a prestação de contas durante a fase avaliativa do Planejamento Operacional Anual (POA), prevista para ser realizada em novembro deste ano. Na ocasião, as entidades que se interessarem em receber o valor arrecadado pela Rede, deverão expor a ideia de um projeto, que contemple a linha da infância, adolescência e juventudes. Em seguida, as demais Organizações Membros votarão e, dessa forma, o recurso será repassado para que a ação seja iniciada. De acordo com o assessor regional de Mobilização de Recursos, Célio Meira, mais do que uma ação para captar recursos, a campanha tem o objetivo principal de sensibilização social. “O objetivo não é tornar a Cáritas conhecida por mais um cofrinho que está no mercado, mas pela nossa capacidade de juntar pessoas em torno de uma causa, um objetivo comum, voltado para as crianças, os adolescentes e os jovens’’, explicou. Por Lidiane Santos | Assessoria de Comunicação do Regional NE2

Campanha dos Cofrinhos Solidários é lançada na Rede Cáritas Nordeste 2

Mais do que uma ação para captar recursos, a campanha tem o objetivo principal de unir pessoas em torno de uma causa ...

03-05-2017 Cáritas Diocesana

Comissões municipais e Liderança das Comunidades rurais recebem capacitação

Nesta quarta-feira (03), a Diocese de Caruaru, por meio da Cáritas Diocesana, promoveu uma capacitação para as Comissõ...

16-03-2017 Cáritas Diocesana Ainda que se denuncie claramente a venda de armas”, explica Rosette Hechaime, libanesa, coordenadora da Cáritas no Oriente Médio. “O papa Francisco acompanha atentamente a situação da Síria e, várias vezes, quando nós o encontramos, ele mesmo nos exortou a pedir explicitamente que as armas sejam silenciadas. A Cáritas é um dos maiores entes que – nesses últimos cinco anos – dão uma resposta a esta crise humanitária. Nós recolhemos testemunhos de quem deixou a Síria e de quem permaneceu lá, para que outros sejam informados por meio das redes sociais e para que não se deixe de acreditar que a paz na Síria é possível”. No site http://syria.caritas.org/ pode-se ter acesso a todo o material para aderir à campanha e também difundi-la. “Porque a guerra na Síria já causou 4,8 milhões de refugiados em diversos países e 6,5 milhões de pessoas que foram obrigadas a mudar de cidade, no próprio país. E tudo o que é demasiado, é demasiado”, continua Rosette. Vídeo-mensagem do Papa – versão integral Na sua mensagem, o papa Francisco não se cansa de exortar a todos: “Unamos as forças, a todos os níveis, para fazer com que a paz na amada Síria seja possível”.

A paz na Síria é possível

Uma mobilização em massa, uma campanha que tem por objetivo sensibilizar o mundo inteiro. É o objetivo de #PeacePossibil...

Artigos Dom Bernardino Marchió

11-08-2017 Dom Bernardino Vivemos num mundo cheio de conflitos, parece que as pessoas não sabem mais dialogar. É cada vez mais raro encontrar jovens e adultos que saibam escutar: todos vivem amarrados ao seu celular e se comunicam com quem? A família é uma luz porque nos ensina a abertura ao outro. As relações baseadas no amor fiel, até à morte, como o matrimônio, a paternidade, o ser filho ou irmão, aprendem-se e vivem-se no núcleo familiar. Quando estas relações formam o tecido básico de uma sociedade humana, conferem-lhe coesão e consistência. Portanto, não é possível fazer parte de um povo, sentir-se próximo, cuidar de quem está mais distante e infeliz, se no coração do homem estiverem fragmentadas estas relações fundamentais, que lhe dão segurança na abertura ao outro. […] Perante uma visão materialista do mundo, a família não reduz o homem ao estéril utilitarismo, mas oferece-lhe um canal para a realização dos seus desejos mais profundos. Há possibilidade de programar várias iniciativas para viver a semana da família. Com certeza as paróquias e as Pastorais familiares vão programar encontros e momentos de orações pelas famílias. No entanto, você mesmo que está lendo, pode-se questionar se conhece as famílias do mesmo prédio, do condomínio, da sua rua. Por quenão planejar encontros informais para criar laços, amizades a fim de caminhar juntos. É importante sonhar algo novo. Papa Francisco dizia às famílias numa visita nas Filipinas. “Não é possível uma família sem o sonho. Numa família, quando se perde a capacidade de sonhar, os filhos não crescem, o amor não cresce; a vida debilita-se e apaga-se. Por isso, recomendo-vos que à noite, ao fazer o exame de consciência, vos ponhais também esta pergunta: Hoje sonhei com o futuro dos meus filhos? Hoje sonhei com o amor do meu esposo, da minha esposa? Hoje sonhei com os meus pais, os meus avós que fizeram a vida avançar até mim? Não percais esta capacidade de sonhar. E, na vida dos cônjuges, quantas dificuldades se resolvem, se conservarmos um espaço para o sonho, se nos detivermos a pensar no cônjuge e sonharmos com a bondade, com as coisas boas que tem. Por isso, é muito importante recuperar o amor através do sonho de cada dia. Nunca deixeis de ser namorado”. Dom Bernardino MarchióBispo Diocesano de Caruaru

Família, uma Luz para a Vida em Sociedade

No segundo domingo de agosto comemora-se o DIA DO PAI e nesta oportunidade a CNBB promove a semana da família que...

03-08-2017 Dom Bernardino E quero falar do Seminário Nossa Senhora das Dores, aqui em Caruaru, e da FAFICA, onde se preparam os futuros padres para a nossa Igreja. E quero falar também da OVS, Obra das Vocações Sacerdotais, que aqui na nossa Diocese e muitas outras, contribui com sua oração e a sua ajuda financeira para preparar os padres para a missão. O Documento de Aparecida, escrito pelos Bispos Latino-Americanos, assim fala da importância do Seminário; “Sem dúvida, os seminários e as casas de formação constituem um lugar privilegiado - escola e casa - para a formação de discípulos e missionários. O tempo da primeira formação é uma etapa onde os futuros presbíteros compartilham a vida, a exemplo da comunidade apostólica ao redor do Cristo ressuscitado: oram juntos, celebram uma mesma liturgia que culmina com a Eucaristia, a partir da Palavra de Deus recebem os ensinamentos que vão iluminando sua mente e modelando seu coração para o exercício da caridade fraterna e da justiça, prestam serviços pastorais periodicamente a diversas comunidades, preparando-se assim para viver uma sólida espiritualidade de comunhão com Cristo Pastor e docilidade à ação do Espírito Santo, convertendo-se em sinal pessoal e atrativo de Cristo no mundo, segundo o caminho de santidade próprio do ministério sacerdotal.” (Aparecida, 316) E por isso eu afirmo: tenhamos um grande amor ao nosso seminário e uma profunda gratidão pelos que ali trabalharam ou continuam trabalhando. Deus é fiel. Ele realiza sua obra com todos os que, de coração aberto e com humildade, se colocam ao seu serviço. Agradeçamos a Ele pelas maravilhas que realiza na Igreja através dos seminários! Mesmo que muitos tenham passado por eles e não tenham chegado ao sacerdócio, tenho certeza de que alí receberam uma excelente formação e que, hoje, estão na sociedade servindo o próximo de diversas formas. Os seminários estão a serviço da Igreja e da sociedade. Dom Bernardino Marchió Bispo Diocesano de Caruaru

OVS e Missão do Padre

Hoje quero falar da missão do Padre porque na Igreja Católica, no primeiro domingo de agosto, mês das vocações, se cel...

02-08-2017 Dom Bernardino O fanatismo tecnológico acaba com a vida de pessoas que necessitam de afeto, carinho, calor humano. Caminhamos para uma desumanização cada vez maior. O ser humano cercado de botões e automatismos perde o sentido profundo de ser gente; isso tem sabor de morte. Outro fanatismo, não menos pior, é o fanatismo político. As comunidades marcadamente cristãs são levadas a viver, não só durante o pleito eleitoral, mas depois e por muito tempo, as chagas da divisão, do ódio, da inimizade. A luta por partidos, a defesa ferrenha de candidatos, por puro fanatismo, como se fosse a única verdade, o único candidato verdadeiro e justo na face da terra, cria e continua criando verdadeiro clima de guerra. E tudo isso é de atualidade extrema! Pessoas amigas, parentes e vizinhos já não se conhecem mais depois das eleições. Essa é a consequência mais forte e lamentável que fica na sociedade e na Igreja. Por mais cristão que seja, por mais abertura que se tenha, por mais liberdade que se promova, sempre fica a marca diabólica do fanatismo político sem razão e muito menos coração. Na história da humanidade assistimos verdadeiras guerras promovidas pelo fanatismo religioso. E nos nossos dias somos expectadores do fanatismo muçulmanos. Como entender hoje que, em nome de Deus, se deve matar ou morrer? Diante deste quadro que poderia continuar a ladainha dos fanatismos, quero aqui recordar que fomos criados homens e mulheres à imagem e semelhança de Deus, para sermos livres, a fim de viver a vida na sua dimensão mais humana possível. Por isso o resgate cada vez mais urgente do valor da pessoa, do humanismo cristão, que tem sua raiz no amor humano, no afeto, no carinho, no sentir o outro como gente, fará com que, na força do amor gratuito e generoso, que vem daquele que é o Amor, se viva a verdadeira vida. Assim teremos um mundo onde a cultura da vida triunfará sobre a cultura da morte. Sem fanatismos, com a mente e o coração abertos, podemos começar a amar de verdade.Dom Bernardino MarchióBispo Diocesano de Caruaru  

Fanatismos e suas consequências

O Evangelho propõe o diálogo e o amor recíproco! O Papa Francisco nos convida a viver a cultura do encontro! No entanto ...

17-07-2017 Dom Bernardino                   1. Santo não é super-heroi Muito ao contrário do que se pensa, santos não são super-heróis, mas pecadores. Um caminho que compreende humildade e sofrimento para deixar que Cristo nos santifique. “Humilhação nossa, para que o Senhor cresça”, é regra da santidade. “Os Santos não são super-homens e nem nasceram perfeitos. São pessoas que antes de chegar à glória do céu viveram uma vida normal, com alegrias e tristezas, fatigas e esperanças, mas quando conheceram o amor de Deus, o seguiram de coração, sem nenhuma condição ou hipocrisia”. 2. Inimigos podem ser santos Ao citar a conversão de São Paulo, que de inimigo da Igreja tornou-se santo, o Papa Francisco garante que o coração de Saulo mudou, mas Paulo não se tornou um herói. Ele pregou o Evangelho em todo o mundo e terminou a vida com um pequeno grupo de amigos, em Roma, até ser morto, à imitação de Jesus Cristo. 3. Não existe curso de santidade O Papa explica que as Cartas de São Paulo são endereçadas a pessoas que pecam, mas são filhos da Igreja santificada pelo Corpo e Sangue de Cristo. “A santidade é um dom de Jesus à sua Igreja e para fazer ver isto Ele escolhe pessoas em que se vê claro o seu trabalho para santificar”, afirma o Santo Padre. 4. Santidade é vocação para todos “Os Santos, amigos de Deus, nos asseguram que esta promessa não decepciona. sua existência terrena, eles viveram em profunda comunhão com Deus, tornando-se semelhantes a Ele. No rosto dos irmãos humildes e desprezados eles viram o rosto de Deus, e agora o contemplam face a face em sua beleza gloriosa”, disse Francisco. 5. Servir com alegriaOs santos “dedicaram suas vidas a serviço dos outros, suportaram sofrimentos e adversidades sem odiar e respondendo ao mal com o bem, difundindo alegria e paz. Os santos nunca odiaram. O amor é de Deus, mas o ódio vem de quem? Vem do diabo. Os santos são homens e mulheres que têm alegria no coração e a transmitem aos outros.” 6. Não é privilégio de poucos“Ser santos não é um privilégio de poucos, como se alguém recebesse uma grande herança. Todos nós recebemos a herança de nos tornarmos Santos no Batismo. Ser santo é uma vocação para todos. Todos nós somos chamados a percorrer o caminho da santidade e o caminho que leva à santidade tem um nome e um rosto: Jesus Cristo. No Evangelho, Ele nos mostra a estrada das Bem-Aventuranças”. 7. Cara de santinho A santidade é consistente, não é oca. “Alguns pensam que a santidade é fechar os olhos e fazer cara de santinho! Não, a santidade não é isto! A santidade é algo maior, mais profundo, que Deus nos dá”. O Senhor não nos chama para algo pesado, triste. Ele convida a compartilhar a alegria. 8. Pais e avós santosAo ensinar com paixão aos filhos ou netos a conhecerem e a seguirem Jesus se alcançar a santidade. Ser bons pais e avós exige muita paciência. É, justamente, exercitando esta paciência que acontece a santidade. 9. Sem fofocaUm passo importante é não falar mal de ninguém. O Papa dá como exemplo um mulher que ao mercado fazer compras e encontra uma vizinha. Começam a falar “e depois vêm os mexericos”. Mas, quando a mulher decide romper com esta atitude e diz: “Não, não, não, não posso dizer mal de ninguém”, torna-se um passo para a santidade. 10. Orar para ser santo A oração é um outro passo para a santidade. Ir à missa ao domingo, comungar, confessar-se. A recitação do Rosário contribui para nossa santidade. Ao rezar na rua, ver um pobre, devemos parar e dar atenção a esse necessitado: é um passo rumo à santidade! São pequenas coisas. “Cada passo rumo à santidade fará de nós pessoas melhores, livres do egoísmo e do fechamento em nós mesmos, abertos aos irmãos e às suas necessidades”, ensina Francisco. Dom Bernardino MarchióBispo Diocesano de Caruaru  

Conselhos para ser santo!

Muitas vezes o Papa Francisco falou sobre os passos que devemos percorrer par alcançar a santidade: ...

Artigos Religiosos

07-08-2017 Religiosos Há um manuscrito medieval, de autor desconhecido, denominado de “Retrato do Padre” que diz, textualmente: “um padre deve ser, ao mesmo tempo, pequeno e grande, de espírito nobre, com sangue real, simples e espontâneo como um lavrador, um herói no domínio de si, um homem que lutou com Deus, uma fonte de santificação, um pecador que Deus perdoou, senhor de seus desejos, um servidor humilde para os tímidos e fracos, que não se rebaixa diante dos poderosos mas se curva diante dos pobres; discípulo de seu Senhor, chefe de seu rebanho; um mendigo de mãos largamente abertas, um portador de inúmeros dons, um homem no campo de batalha; uma mãe para confortar os doentes, com a sabedoria da idade e a confiança de um menino; voltado para o alto, os pés na terra… feito para a alegria, experimentado no sofrimento, imune a toda inveja, que se vê longe… que fala com franqueza, um inimigo da preguiça, uma pessoa que se mantém sempre fiel”. Além do bem traçado retrato do padre, na figura de um pai, o autor o retrata também na figura de uma mãe. Deus escolhe um homem para se tornar padre para que ele se torne pai de uma multidão como as areias do mar e as estrelas do céu. O padre todo dia gera, no seu coração, amor, alegria e paz nos corações dos fiéis. O padre gera cotidianamente uma pessoa nova, uma comunidade nova, uma paróquia nova, uma igreja nova, uma sociedade nova, um novo céu e uma nova terra. Eu diria simplesmente: “o padre é um filho que se tornou pai” (Dom Caetano, bispo de Guarulhos – SP). Fiquei muito feliz quando li que o futuro arcebispo de Milão, a maior arquidiocese do mundo, é apresentado como um “padre normal”. Não por andar de bicicleta. Não foi por isto que ele foi escolhido. Mas por ser um pai. “Normal” é o mesmo que dizer: “segundo a norma”, “habitual”, “natural”. Não é pouco dizer que o padre é uma pessoa normal. É o muito que se pode dizer. Seria anormal se o padre não fosse um homem normal. O normal de um padre é ser pai. No entanto, fiquei muito triste e incomodado quando também li que alguns padres são os maiores obstáculos ao ministério do papa Francisco. Se o normal do padre é ser pai, o anormal é viver sem a atitude paternal-filial para com o santo padre, o papa, o nosso pai na fé. A arte de ser pai, como todas as artes, não se somente aprende nos bancos de escolas. É um ato de educação. É a arte da aprendizagem. Como ninguém nasce falando, caminhando, cantando e rezando, mas chorando, a arte de ser pai se aprende exercendo esta magnificência capacidade que o Criador que deu ao ser humano, do sexo masculino, de gerar filhos e filhas: ser pai. O ato da ordenação não é um ato de esterilização, castração e infertilização. Embora não geramos filhos biológicos para o mundo, geramos filhos espirituais para Deus. Dizem os sábios e entendidos que o mundo está do jeito que está porque perdemos a capacidade de viver sob o Reinado de Deus Pai, no qual todos somos irmãos. Sem a paternidade não existe nem a filiação e nem a irmandade. Quando fui falar com o meu pároco que iria entrar no Seminário, ele não me deu nenhum bem material, mas meu deu um conselho que guardo para o resto da minha vida: “quer ser padre? Então seja padre, somente padre e totalmente”. E este é o conselho final que dou a todos os padres. Dom Pedro Brito GuimarãesArcebispo de Palmas – TO  

Padre quer dizer Pai

  Agosto é o mês vocacional. E uma das vocações contempladas, neste mês, é a vocação do padre. Todos nós sabemos q...

08-03-2017 Religiosos Muitas mulheres se tornaram ícones e exemplos a serem seguidos, mas uma delas se destaca: Maria, a mãe de Jesus. Em especial nesse Ano Mariano, vivido pela Igreja católica no Brasil, é forte o convite a contemplar a vida de Maria, que segundo o padre Moisés Coelho, da Comunidade Obra de Maria, é um grande exemplo de mulher a ser seguido. “Maria como mulher, mãe e esposa ensina muito, começando pela fidelidade. Ela foi fiel e toda mulher precisa ser fiel àquilo que Deus tem dado para ela. Maria foi aquela que cuidou de Jesus na sua totalidade de mãe, que doou-se, que amou e que zelou pelo filho. Isso ensina muito às mães no tempo de hoje. A mulher precisa aprender a se colocar no tempo de Deus. É preciso olharmos para as virtudes da Virgem Maria, para que possamos ser humildes, ter confiança, pureza, simplicidade e humildade”, diz Virtudes de Maria O sacerdote afirma que Maria foi uma mulher plena e cheia de virtudes, mas que quatro se destacam: a obediência, a humildade, a fé e a pureza. “Ela foi obediente ao plano da salvação e isso fez com que ela permanecesse em pé diante do projeto de Deus. A humildade como outra virtude é o que de mais belo Maria traz, porque ela sempre soube seu papel e quem ela era, ela também sabia que era totalmente dependente e que sua dependência de Deus, dentro do plano de salvação, fazia com que realmente tudo acontecesse na vontade Dele; Maria também foi fiel à sua verdade, pois tinha consciência que era humana e fraca, porque passou por sofrimentos e dores, mas não perdeu a fé, que foi o seu sustento diante das dificuldades”, afirma. Valor da maternidade Além de ser a escolhida por Deus para conceber Jesus e dar luz à Vida, não se deve esquecer que Nossa Senhora também foi filha, irmã, dona de casa, esposa, mulher e por fim, mãe, e como tal, o padre Moisés afirma que ela passa o verdadeiro valor da dignidade da maternidade. “Porque Nossa Senhora se doou por inteira a Jesus, ou seja, acompanhou os passos do filho. Até o último momento Maria esteva com Ele. Vemos muitas mães que deixam os filhos à mercê da educação das pessoas, e não estão ali presentes, ensinando, acompanhando. Mãe é estar presente”, acrescenta. Para assemelhar-se à Mãe de Jesus e alcançar tais virtudes, o sacerdote diz que não existe nenhuma receita, mas indica uma atitude principal: estar à disposição de Deus. “O que fazer para ser como Maria? Não existe uma receita como regra, mas existe uma verdade principal com a qual a mulher pode se aproximar da Virgem: estar à disposição de Deus. O que se deve fazer para ser como Maria é estar à disposição de Deus e permitir que Ele realize Seu plano”, conclui. Fonte: Canção Nova

Maria é exemplo de verdadeira mulher a ser seguido, diz padre

No Dia Internacional da Mulher e tendo como contexto o Ano Mariano, padre elenca as características de Maria que são exe...

06-03-2017 Religiosos Sim, porque ele morreu por todos nós, por cada um de nós. Também pelo ateu ou indiferente, não é gente? Então também o ateu ou indiferente tem contas a acertar com o Pai. Pedir perdão é o caminho adequado. Foi a primeira palavra que Jesus pronunciou ao começar sua missão na terra: Convertei-vos (cf. Mt 4,17). Converter-se é sentir que está errado, que pecou contra Deus, se arrepender e pedir perdão. Perdão para ser readmitido na intimidade do amor de Deus. Mas quem não acredita em Deus? Esse precisa pensar mais, estudar mais para descobrir o Eterno e reconciliar sua vida com Ele. Que ele pense direitinho, pois não há outro caminho para ser feliz. Se há outro caminho me apresente, por favor, pois eu não conheço. Como seria bom se os governantes do mundo, principalmente os do Brasil, entendessem e acolhessem com carinho e responsabilidade este convite de Jesus feito através da Igreja nesta quaresma: Convertei-vos. Ai sim, este mundo, este país seriam o que toda a humanidade deseja: um mundo justo, amoroso, pacifico. Particularmente nós brasileiros iríamos sorrir de felicidade, daquela felicidade permanente, contínua que todos almejamos. Alguém poderia dizer: Mas isso já é o Paraíso. Correto, pois o céu começa aqui. É na terra que começamos a construir nossa felicidade definitiva que ocorrerá no nosso convívio com Deus uno e trino no âmbito da eternidade. (Cf. Jo 14,3) Vamos nessa? Por Pe. Guilherme Gomes da Silva

Perdão, Senhor!

Com a quarta-feira de cinzas a Igreja abriu um período litúrgico em que a tônica é o perdão. Todos, católicos e não cató...

03-01-2017 Religiosos Não há um caminho para vermos o que de novo surge. Existem caminhos, vários caminhos... E se falamos em caminho inevitavelmente lembramos caminhada. Jamais alguém contemplará a beleza do caminho se não ousar desbravá-lo. Precisamos nos esforçar, sair da nossa comodidade e conhecer o caminho. Quer ver a novidade? Caminhe! É este o convite de Deus para todos nós. A caminhada, porém, é longa e requer alguns cuidados. Caminhar com os irmãos é fundamental para construir uma vida melhor e achar o novo na nossa história. Aqui nos encontramos! Ganha sentido o Setor Juventude. Existimos para andarmos juntos e em comunhão com a Igreja traçarmos os caminhos e partilharmos as novidades encontradas com toda a juventude diocesana. Não ousaremos listar as novidades de Deus em nossa vida, afinal nos propomos descobrir e nem seria possível. No entanto, o profeta Isaías nos assegura que o Senhor criará um novo céu e uma nova terra. A Igreja nos ensina que céu e terra novos existirão quando a vontade de Deus for feita “assim na terra como no céu” e Deus confia a nós jovens o cumprimento de suas promessas. Deus aposta em nós! Vamos caminhar! Vamos descobrir! Vamos construir uma nova terra! O Senhor caminha conosco e espera apenas um coração aberto e desejoso de amar e servir como o de Maria, Mãe de Deus. Nós vamos! E você, vai?! Vamos juntos... #tamojunto Com os cuidados de Maria a Mãe da Juventude e com as bênçãos de Deus, nosso abraço e nossas orações. Paulo Jorge da SilvaCoord. Setor Juventude

Mensagem do Coordenador do Setor Juventude Diocesano

Caruaru, 2º de janeiro de 2017. “Vou criar um novo céu e nova terra” Is 65,17. Sonhos despertados, desejos renovados, ...

telefone

Lista Telefonica

Ache na Nossa Lista Online
telefones e endereços de paróquias, Padres, instituições, Comunidades e muito mais.

CLIQUE AQUI ACESSAR>>
0853070116

Acenda sua

Velinha Digital

Acender uma vela digital é uma forma de manter a sua fé acesa.

ACENDER VELINHA >>

Artigos

Dom Dino

Leia todos os artigos publicados!

LEIA AGORA >>